sexta-feira, 1 de julho de 2011

Memórias da Infância (6) - As Escolas

Minhas primeiras "idas" à escola...
A Primeira escola que me levaram, passei apenas um dia ou uns dias por lá. Foi o Colégio Maria Auxiliadora. Voltei pra lá anos depois, quando eu já tinha uns dez anos. 


Mas, a primeira vez, com dois ou três anos, cheguei lá e me deparei com um prédio que tinha a cara de um ladrão que eu desenhei! Choros e berros... Não quis ficar por lá! Onde já se viu? Prédio com cara de ladrão?



A ED

Me levaram, então, pra Escola Doméstica, a ED. Lá, eu tinha uma tia que era professora, Lalá, e meu pai era amigo de Dona Noilde. Tudo certo!  Frequentei o "maternal", depois "jardim de infância" e depois o primário (hoje em dia é primeiro grau, acho, ou ensino fundamental...).

No começo também não gostei. Não tinha cara de "ladrão", e apesar de muitas árvores, local amplo, etc e tal, tinha que fazer uma fila antes de entrar na classe. E, tinha uma menina que me beliscava. Pra completar tinha outra que "roubava" meu lanche. Pão com doce de goiaba oferecido pela própria escola. 


Fora tudo isso, acho que eu era chorona mesmo. E, ficavam minhas tias se revezando debaixo de uma árvore, que não lembro de quê, perto do prédio de maternal e jardim. Elas ficavam lá sentadas e eu de vez em quando olhando pela porta pra ver se tinha gente... Tia Míria, Lalá, vovó... Às vezes até minha babá, Dona. De vez em quando minha mãe, que não podia estar todo tempo porque tinha seu trabalho, na Escola de Serviço Social.
Nem sei quando eu melhorei com o chororô... 


Mas, eu gostava das musiquinhas da entrada...


"Chegamos na nossa escola, cantamos com alegria, saudamos os coleguinhas, bom dia, bom dia. Depois ao entrar na sala, cantamos com alegria, saudamos a professora, bom dia, bom dia..."


Também gostava muito do parquinho, principalmente da "barra". Gostava de me pendurar por lá, ficar de cabeça pra baixo e tudo mais...


Um parquinho parecido com o da ED. Com árvores... https://apps.facebook.com/blognetworks/blog/rabiscando/


Uma vez teve uma festa de Natal, e uma das professoras era o papai Noel (acho que dona Salete). Meu primo Markito e minha amiga Mara, aparentemente tímidos mas muito sabidinhos, ficaram em baixo de uma das mesas e conseguiam pegar milhares de balas (confeitos pros nordestinos!), enquanto os "bestas" que ficavam em pé pulando, pegavam dois ou três... Eles saiam de baixo da mesa com o avental cheio...
http://tainaperalta.blogspot.com/2009/05/perguntas-secundarias_35.html
Antes de fazer sete anos, eu já estava no primeiro ano primário. Tinha feito o preliminar no Rio (já contei essa parte em outro texto...). Até a 4ª série primária permaneci por lá, pela ED.
Eu, no Rio, com a farda da escolinha de  lá...
Eu era muito estudiosa e minha mãe ajudava a gente nos trabalhos. Nas festas, como S. João e Natal, sempre fazíamos cartazes pra expor. Os meus e de minhas amigas eram os mais bonitos! 

Na maioria das vezes eu ficava em primeiro lugar. E, na ED, tinha um lance de colocar as meninas "por carteira" dependendo das notas. Assim, na primeira carteira, ficava quem fosse o primeiro lugar e assim por diante. 


Poucas vezes, tive que trocar pra segunda carteira, mas detestava quando acontecia. Já era meio "competidora" (competitiva?) e, tinha uma menina, que às vezes "me tirava" essa primeira carteira. Lembro do rosto dela, mas não de seu nome. Algo como Josi.....
Quando fui fazer a 4ª série a competição esquentou. Chegou uma menina lá do interior de Currais Novos, que fazia com que trocássemos de carteiras a cada mês. Era ela ou eu, eu ou ela. Mas, éramos muito amigas. E, se antes éramos uma dupla, eu e Mara, passamos a ser um trio: Eu, Mara e Ana Lúcia.


Eu e Mara morávamos na mesma rua, a "Cônego" (Mara no "outro pedaço) e, Ana Lúcia na própria Hermes, avenida da ED. Íamos a pé pra casa. A casa de Ana Lu ficava mais perto da ED, e lá tinha uma "boutique". Eu me encantei por uns sapatos azuis que vi na vitrine... Muitos e muitos anos depois, comprei uns sapatos azuis...

Ainda tenho uma história pra contar, uma do terceiro ano. Dona Naire era a professora. Dona Noilde foi nos fazer uma visita. Sempre que ela ia, éramos obrigadas a nos levantar e entoar todas ao mesmo tempo "Bom dia Dona Noilde!". 
Nesse dia eu tava dispersa, com uma borracha na mão, e passando a borracha sobre a carteira... Não a vi chegar... Não me levantei e nem entoei o "hino" do bom dia" . Levei um carão horrível! Pra quem era primeira de classe e nota 10 de comportamento, um "carão" desses é a morte! Deixa pra lá. Mas que isso marcou, marcou... Traumatizou! Ai que drama!
Voltando ao tempo, minha professora do primeiro ano era Dona Antônia, irmã de Dona Judite do segundo. Eram ótimas. Dona Antônia, então, tava no meu coração!
Nos recreios, no começo, eu ficava meio por fora. Mas, sempre tinha algumas amigas pra passear ou conversar. Mara, Silvana, Fátima e outras...

Na ED tinha uns espaços abertos legais. Tinha a casa de campo... Bons aires! Natureza viva!

Parece um pouco com a parte da casa de campo... http://entreartes-aliete-entreartes.blogspot.com/2010_02_01_archive.html
Quando terminei o quarto ano, eu queria ficar pra usar a farda de mangas compridas. Mas, meu pai, que "via longe", apesar de ser amigo da ED, não queria uma filha que escrevesse profissão: "do lar", ou que apenas fosse "a mulher de fulano". Queria a filha uma profissional. 


Não que não tenham saído várias e excelentes mulheres profissionais oriundas da ED, mas naquele tempo a ênfase (ou a fama) das aulas era maior pros trabalhos domésticos. "Cuidar da casa e do marido". Puericultura, cozinha, etc e tal. 


Apesar de tudo, muitas amigas minhas continuaram por lá e se deram bem profissionalmente. Ou seja, tudo depende de cada um também. Da escola e da pessoa! E vá ver que a "fama" era errada...


Bom, mas o caso é que meu pai disse que era melhor trocar de escola...


Uma turma da ED com farda de "mangas compridas" - http://www.correiodatarde.com.br/colunistas/paula_frassinetti-52818
Então, eu voltei pro Maria Auxiliadora.


O Maria Auxiliadora
O Maria Auxiliadora hoje - http://www.raiou.com.br/instituto-maria-auxiliadora-natal-rn_COD_120%3Bjsessionid=484648DB8648B4CCB2E193ADE5EF6150

Minha entrada no Mª Auxiliadora foi um "pulo". Ou seja,  eu "pulei" o 5º ano... Era assim que se dizia. Isso significava fazer um teste de admissão para o primeiro ano do ginásio (hoje seria ensino médio?). 


Passei em primeiro lugar. Pra descontentamento e admiração de uns ou outros. Tinha lá um pai de uma menina que olhou pra mim e disse: "Essa menina? Nunca que vai passar!". Bem, eu era pequena, era mais nova que as demais, mas passei, e sem querer ser vingativa (hehehe) a filha dele, não... 


Bom, como eu era a mais nova e também a menor, eu ficava meio "nos cantos" no recreio... Até me enturmar, demorou... Até porque as meninas "danadas" não queriam saber das estudiosas, muito menos de uma "pirralha". 
Eu, em frente à minha casa,  com a farda do Maria Auxiliadora
Mas, consegui algumas amigas. Ia estudar na casa delas e elas na minha. Lembro de uma que morava na rua Trairi, Marilene, e de outra que morava na Jundiaí (esqueci o nome, vixe!), e que tinha uma coleção de revista Tio Patinhas e outras do gênero. 



http://ludy-quadrinhosdisney.blogspot.com/2010/10/historias-inesqeciveis-dos-quadrinhos.html


Adorava ir lá, mais por causa das revistas (confesso, rsrss)! Aliás, eu aprendi muita coisa em "revistinha" como a gente chamava na época os gibis. Lembro de uma das estórias com o fantasma de Notre Dame, por exemplo, e assim conheci Paris... Como essa, várias outras que me fizeram viajar mundo afora, mesmo antes de minhas viagens reais...
Como em todo colégio, tinha também as meninas "danadas". Tinha as do voley (umas "danadas" e outras não)... No fim das contas terminei também amiga de quase todas.

Jogava voley (tentava!) após as aulas, e chegava atrasada em casa pro almoço... Mas, assim ia me enturmando... Fez parte dessa iniciação à "entrada na turma", roubar manga na parte onde as freiras moravam que era cercado por arame farpado. De vez em quando uma das meninas rasgava a farda...


http://www.portalbarueri.com/esportes/voleibol-mirim-nas-semifinais/

Tinha muita coisa engraçada nessa turma! Uma vez pegaram várias manguinhas pequenas e quando o professor de OSPB (lembram dessa "matéria"?) se virava pra escrever no quadro, jogavam as manguinhas no pobre. E ele se virava perguntando: "Quem jogou manguitos?". Era uma risadaria só!
http://porto.coisas.com/para_venda/jardim_e_campismo/mangueira-fruto-arvore-das-mangas-30/2600769/

Descobriram que esse mesmo professor só lia o começo e o fim dos trabalhos. Então uma das meninas "danadas" disse que iria provar. Assim fez. Escreveu coisas pertinentes no primeiro e último paragrafo, e lá pelo meio escreveu coisas que tinha feito no fim de semana, tipo "fui pra praia, blá, blá, blá...". Tirou 10!

Na nossa sala tinha uma caveira trancada numa caixa de vidro. Conseguiram a chave e todo dia vestiam a caveira de forma diferente. De saia, de lenço, com cigarro, desmunhecando, etc e tal! A Irmã "chefe" vinha "com mais de cem" na nossa sala e haja sermão. E castigo, já que ninguém dizia quem tinha feito o "mal feito".
http://letrasehistorias.blogspot.com/2010/10/esqueleto-jogo.html

Passamos por outros castigos conjuntos. Um deles por uma coisa besta, mas que ainda me dá vontade de rir quando lembro. Passavam um bilhete dizendo assim:"Quem tiver com as calças rasgadas, dê uma gargalhada". Pois de mil risadas e gargalhadas saía sempre um castigo: ficar sem recreio ou sair mais tarde. Aiaiai...


E o da "bomba"? Acho que essa história da bomba é comum em vários colégios. Mas, vamos lá! Desenhada uma coisa parecida com uma bomba no quadro negro e um "fio" enorme. Ao entrar o professor, uma aluna pegava o apagador e ia devagarzinho apagando o "fio". E todas a dizer "chiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii", até chegar na "bomba" e todas a gritar: "Bum!". Bum, mais castigo!
http://musicadogol.blogspot.com/2011/06/bomba-explodiu-olha-ai-o-revideballack.html
Gostava de algumas feiras. Outras eram chatas. Mas, tinha uma especial. A Irmã Francisca, professora de matemática. Exigia disciplina, era "dura", mas correta. E gostava de mim. E eu gostava dela. Ponto. 


As saias das fardas eram compridas e, ainda por cima, usávamos "meião" até os joelhos. Nada de pernas à mostra. Nem um tiquinho! Ah, e por dentro da blusa, uma tal de combinação! Haja roupa! Mas....

Era só botar o pé fora do colégio que enrolávamos as saias até ficarem quase "mini", e enrolávamos as meias em sentido inverso, até virarem meias normais. Resultado: pernas à mostra! E tchau colégio, íamos pra casa com "outra roupa"!


http://www.artigosparafestas-hs.com.br/?p=5&limit=90

Bom, entrando na minha adolescência (a qual na verdade não sei bem quando começou), acabo a quarta série do ginásio. E aí, como lá só tinha o "pedagógico", eu tive que mudar outra vez de colégio. Queria fazer o "científico" (na época assim se chamava) porque pretendia fazer engenharia... 


Fui pro CIC (Colégio Imaculada Conceição, onde minha mãe havia estudado). Mas, aí vão entrar nas histórias ou memórias de minha adolescência...

Assim, vou acabando esse texto por aqui!







10 comentários:

  1. Tu tens lembranças de quando tinha 2/3 anos?????? Caramba!!!

    ResponderExcluir
  2. Ei, no meu tempo de Maria Auxiliadora a saia tinha que cobrir o joelho. A irmã mandava a gente se ajoelhar. Se a saia arrastasse no chão tava certo. E a roupa de educação física? No meu tempo era um "negócio" horrível que ia até o joelho, com elastico fechando a "boca". Me lembro que era de um tecido xadrezinho em preto e branco, parecia roupa de orfanato. Affff

    ResponderExcluir
  3. Memória boa a tua, visse! Não era à toa que era a primeira da classe....

    ResponderExcluir
  4. O último anôno sou eu, Lucimar

    ResponderExcluir
  5. Cara de ladrão Ana Célia??? Como era??
    Tipo Irmãos Metralha? Que medo!!!
    Que memoria.........

    ResponderExcluir
  6. Memória boa né? mais num lembro tudo não. são algumas "passagens" que marcam, por isso lembro tanto!
    Fátima, o ladrão que eu desenhei era q tinha cara de prédio, tipo um prédio mais alto onde as janelas eram os olhos, sei lá kkkkk. Só sei que coincidiu com a figura do prédio do colégio hahahahaha. E tem mais, eu sentia uns cheiros estranhos na hora do lanche, qdo abria a lancheira... enfim, ñ gostei .... me fui.... iac iac

    ResponderExcluir
  7. Maria Ligia (Mara)10 de julho de 2011 18:10

    Haja memória... tenho também algumas lembranças dessa época... não tão detalhadas quanto as suas, Ana Célia... Não sei se você lembra, no 1ª ano primário agente tinha que ler um trecho da cartilha( essa cartilha era verde) no início eu era a melhor porque eu lia bem alto e correto (claro!). Você ficava em segundo lugar, só porque lia baixo. Então D. Antônia falou que a turma precisava comer ovo de manha para falar bem alto. Acho que você adotou esse hábito, ou sei lá porque começou a ler mais alto que eu, e a partir dai não tinha quem tirasse o seu 1º lugar, eu comecei a comer ovo mais não tinha jeito...
    O detalhe dos confeitos em baixo da mesa, eu lembro muito bem, foi uma grande idéia, minha e de Markito... Não fosse isso agente não conseguiria uma bala sequer, visto a quantidade de crianças se jogando atras dessas balas. Boas lembranças!!!!
    Ah! adorei a música para entrar na sala... lendo recordei!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Ah, foi mesmo! Lembrei agora o lance do ovo, só não sei se comi! Kkkkk
    E vc e markito só tinham cara de "bestas" pq eram bem sabidinhos! He he he!

    ResponderExcluir
  10. Minha nossa como é que uma pessoa lembra cada detalhe e com tanta precisão.Tinha que ser vc Ana.Memória de elefante!!!

    ResponderExcluir